top of page
APOC27.png

 

A híbrida cosmovisão de Gustavo é apresentada em sua obra tendo a cor como ponto central do pensamento. Questões relacionadas ao processo de construção cromática desdobram-se em debates não somente na arte mas também nas áreas da cultura, filosofia, e ciência: o fenômeno físico da cor é explorado em volume, frequência e forma. O vasto repertório de suportes utilizados pelo artista resulta em uma pesquisa dinâmica, experimental e autônoma dentro das Artes Plásticas, chegando a uma linguagem coesa que pode ser reconhecida em seus cartazes, esculturas, pinturas, colagens, objetos e peças sonoras — o som também é parte integrante da sua prática artística, atuando na elaboração de ambientes sinestésicos para ações performáticas. Paralelamente à sua pesquisa como artista visual, dirige seu estúdio independente de design localizado em Curitiba, o APOC studio.

agende sua visita :)

Dr. Muricy 474  .  curitiba            

  • Instagram

+ 55 - 41 98884 8768

zap_2.png

EXPO : Ouroboros

2022

curadoria: Isadora Mattiolli

coletiva

Adriana Tabalipa / Celestino Dimas
Eduardo Amato / Érica Storer
Eleonora Gomes / Fernanda Pompermayer
Gustavo Francesconi / Jonas Sanson
Leo Bardo / Leonardo Franco
Marita Bullmann / Miguel Thomé
Renata Silvério / Rique Silva

PF -Plataforma Flex

 

Curitiba - PR

pic : Andrea Maya

texto : Leo Bardo . 2021

Outros planetas outras paisagens: a fabricação do sol noturno

 

Então as imagens se compõem e se ordenam, e o sonhador escuta já os sons da palavra escrita.

—  Gaston Bachelard

 

Dentro do círculo infinito muitas coisas escapam ao nosso olhar. Perguntamo-nos sobre a natureza de algo. Como o mundo veio a existir? O que há depois da morte? O que é escolhido para ser visto? O que vemos é afetado pelo o que sabemos? E se estivéssemos diante do nada? Como suportar o nada? Vastos espaços desérticos, o tempo e a visão, as sonoridades na natureza. Profusão & Ressonância.

Investigando a natureza filosoficamente, o trabalho toma forma na pintura, som, objeto, escultura e colagem. O artista realiza uma transposição deste sistema de signos com o qual o espaço em que vivemos pode ser entendido e, através da sensação e da percepção das cores — processos psicológicos — compõe novas paisagens num movimento que, intuitivamente, facilita-nos na localização de lugares por nós desconhecidos.

Ou, conhecidos somente em sonho, ajudando-nos a compreender que a paisagem existe antes de nós. Estar diante dos trabalhos é deparar-se com uma atmosfera onde elementos geométricos dialogam em formas circulares, rotundas, sóis, células e glóbulos que, através da imersão em ilhas de cor, geram emoções, exigindo do espectador um outro tipo de percepção do fluxo do tempo e do espaço — este, em Bachelard, entendido como uma construção.

Em contato com diferentes linguagens da arte, incluso a performance art, podemos observar que predominam nas atitudes do artista soluções incomuns para o uso de seus suportes e materiais. O uso do corrosivo sobre a tinta gera diferentes texturas que agem juntas num mesmo suporte. As formas circulares com intervenções químicas assemelham-se à materiais esponjosos, cruzando mais uma barreira: a do caráter usual de figura e fundo da pintura de paisagem.

A paisagem é o que não vejo. Nós vamos, e a paisagem fica como a memória monumental dos vestígios do tempo. Da água, batendo até furar. Do vento, soprando até gastar. Waste lands. Auroras austrais. A cor conversando com o silêncio. As temperaturas. O calor ali, olhando de volta para você. Então, o corpo encontra o desconhecido, tornando-se rocha ao dançar com a natureza.

CURTA : estamos Quase lá

 

2020

direção

Jonas Sanson e

Fernanda Pompermayer

47 Casa de Criadores

 

São Paulo - SP

Fashion Film : REPTILIA

EXPO : 3 Atos - Agora Estamos

 

2019

coletiva

Eduardo Amato / Eleonora Gomes

Gustavo Francesconi / Milena Costa

Nico / Pedro Vieira

PF - plataforma flex

Galeria Ponto de Fuga

 

Curitiba - PR

pic : Isabela Glock

Texto : Eduardo Amato

 

Afeto. Se no início fomos e no fim voltamos, hoje ficamos. Não em um lugar, mas em um estado d'alma. Um microcosmo brechtiano de legados sócio-culturais. Vamos falar aqui sobre herança - que produz algo novo no presente recorrido do passado. Onde fomos. 

E se "o passado é um país estrangeiro” (Hartley, 1953) quais as lombadas que delimitam cada território? E digo aqui lombada, na tentativa de por alguns minutos não falar em muros. Queremos falar dos portões; dos caminhos. Dos caminhos que cinco artistas tomaram para chegar aqui e a partir daqui. Queremos falar sobre atravessamentos, portanto pareceu coerente partir de uma estrutura de exposição cruzada. Pois além de cruzados nossos processos, é também nossa pulsão. Aqui (ou ali), Margit L. entrega uma frase que talvez seja a chave dessa exposição: diferente de uma orquestra, estamos aqui num concerto de câmara, onde cada músico toca um pouco mais baixo para escutar o outro.

 

Somos os vaga-lumes viajantes do meio da noite. E aqui estamos. E ficamos. (por ahora)

 

Desperta América do Sul: Apresentamos uma(s) exposição(ões) de cinco artistas brasileiros, produzindo em Curitiba, em 2019. O resultado vivencial de diferentes sujeitos à escuta. Falando sobre três atos. A chegada, a estadia e a partida. E se Matisse acabou com a dança, propomos um ciclo na PF. Eleonora Gomes (Curitiba 1979) chegou aqui 2014, logo no início, comigo, Eduardo Cardoso Amato (Castro 1991). Ela excede o círculo de giz e toma o espaço, traça nele a instalação Pés. Ela convive conosco. Gustavo Francesconi (Joinville 1986) está aqui há pouco e com telas e experimentações com espuma expansiva delimita coordenadas investigativas tomadas em sua pesquisa, relacionando cor e matéria em distintos planos perceptíveis. Além de efeitos visuais, uma trilha transdisciplinar entre técnica e poética, levado por bases prática-teóricas da ciência e da semiótica. Como na escolha da espuma, que dilata seus limites para se moldar ao espaço. As cores também são cores, mas são dispositivos de observação de outras constelações fora das barreiras terrestres. 

Milena Costa (Curitiba 1982) e o Pedro Vieira (São Paulo 1983) vieram nos buscar. Dirigem a Galeria Ponto de Fuga e percorrem caminhos processuais juntos. Nos mostram trabalhos realizados entre 2006 e 2019 que versam sobre a questão da latinidade. Ao longo dos anos eles vêm trabalhando desde este território cultural, geográfico, político e imaginado chamado América Latina. Produzem deslocamentos, imagens, performances, escritos e reflexões. 

As lombadas viraram pontes à tempo de passar. Daqui para lá - performance de Eduardo Cardoso Amato propõe o alongamento do espaço expositivo para a Galeria Ponto de Fuga.

'24

EXPO. - LATINO CONVIDA

coletiva com estudio latino

Estudio Latino de Design

Curitiba - PR - mar.abr

 

'23

RESIDÊNCIA - THE ART FARM

com Antonio Cláudio Carvalho

PALM 3333 - Fazenda Das Palmeiras

São José do Barreiro - SP - set

'22

EXPO. - OUROBOROS

Coletiva - Curadoria Isadora Mattiolli

PF - Plataforma Flex

Curitiba - PR - nov.dez

EXPO. - MONUMENTOS INVOLUNTÁRIOS

Coletiva - Curadotia Yifta Peled

Contemporão em Vix

Vitória - ES - jun.set

'21

SOUND - TELEFONE SEM FIO

Performance Art com Eduardo Amato

Direção: Fernanda Pompermayer

Apoc Studio

Curitiba - PR - jul

SOUND - MOTHER TONGUE

Performance Art com Eduardo Amato

Direção: Jonas Sanson

GRACE Exhibition Space

New York - USA - abr - online

EXPO. - PROYECTO ENAJENAR

Casa Ajena - Centro Cultural de España

Juan de Salazar - Coletiva

Assunción - PAR - mar.abr

SOUND - PERFORMANCECOISA #3

Performance Art com Adriana Tabalipa . Eduardo Amato . Eleonora Gomes . Leo Bardo

Plataforma Flex - Open Source

Curitiba - PR - fev

RES. - ARTECHS WINTER RESIDENCY

Technische Universität Berlin

Berlin - GER - jan - online

'20

SOUND - PERFORMANCECOISA #2

Performance Art com Eduardo Amato . Eleonora Gomes . Erica Storer . Janete Anderman . Leo Bardo . Jonas Sanson

Plataforma Flex - Open Source

Curitiba - PR - dez

CURTA - ESTAMOS QUASE lÁ

Argumento - Atuação - Design Gráfico

47ª Casa de Criadores - Para Reptilia

São Paulo - SP - nov

PRÊMIO - MELHOR CARTAZ DE FILME

Os Herdeiros de Adriel Nizer Silva

5º Cine Tamoio - Festival de Cinema

São Gonçalo - RJ - set

SOUND - PERFORMANCECOISA #1

Performance Art com Adriana Tabalipa . Janete Anderman . Leo Bardo . Eduardo Amato . Eleonora Gomes . Fernanda Pompermayer . Jonas Sanson

Open Source - Ar Livre

Porto Amazonas - PR - set

EXPO. - MONUMENTOS INVOLUNTÁRIOS

Coletiva : performancecoisa

Contemporão

São Paulo - SP - set.out

SOUND - O OVO E A GALINHA

Performance Art com Eduardo Amato . Adriana Tabalipa . Eleonora Gomes . Fernanda Pompermayer . Jonas Sanson .   Leo Bardo . Miguel Thomé Oliari

PIVÔ : Desktop Aberto

São Paulo - SP - jun

INSTALAÇÃO - VOLUME

Peso Expandido #4 - Táticas Móveis

em Arte Contemporânea - individual

Plataforma Flex

Curitiba - PR - fev

SOUND - PANO

Performance Art com Mariana Barros .

Janete Anderman . Eduardo Amato

Mostra Cadeado : Plataforma Flex

Open Source

Curitiba - PR - jan

‘19

EXPO. - 3 ATOS - agora estamos

14ª Bienal Inter. de Curitiba

Circuito Galerias

PF + Apoc + Ponto de Fuga - Coletiva

Curitiba - PR - set.out

SOUND - NATUREZA VIVA

Performance Art com Eduardo Amato

MUCANE - Museu Capixaba do Negro

Vitória - ES - ago

 

INSTALAÇÃO - A LEI

Mostra Guia : Plataforma Flex - Individual

Curitiba - PR - ago

 

SOUND - BAILE NO PALÁCIO

Performance Art com Eduardo Amato

Ocupa Cândido : Equinócio

Campinas - SP - mai

 

EXPO. - ENSAIO CIRCULAR

Apoc Galeria - Individual

Curitiba - PR - mar.abr

‘18

SOUND - CANÁRIOS DA MINA DE CARVÃO

Performance Art com Eduardo Amato

3º Festival Curto-Circuito

Chapecó - SC - dez

 

CURADORIA - KOLLEKTIVET II

Mostra Sonora : Boiler Galeria

Curitiba - PR - ago

 

EXPO. - BEIRADA DA SUPERFÍCIE

Coletiva - Curadoria Lilian Gasen

Boiler Galeria

Curitiba - PR - mai.jun

 

‘17

EXPO. - A COR DA PELE

exposição coletiva

Art Weekend - Galeria Caribé

São Paulo - SP - nov

 

SOUND - ENSAIOS SOBRE TRADIÇÃO

3º Ato - Pidyon Haben

Performance Art com Eduardo Amato

Galeria Andrea Rehder

São Paulo - SP - nov

 

SOUND - ENSAIOS SOBRE TRADIÇÃO

2º Ato - Havdalá

Performance Art com Eduardo Amato

Fábrica da Bhering

Rio de Janeiro - RJ - nov

 

SOUND - ENSAIOS SOBRE TRADIÇÃO

1º Ato - Shabat

Performance Art com Eduardo Amato

Soma Galeria

Curitiba - PR - nov

 

TRILHA - DESFILE JACU

Id-Fashion / FIEP - Performance Sonora

Curitiba - PR - set

 

EXPO. - MULTIPLOS

Boiler Galeria - Coletiva

Curitiba - PR - jul.ago

 

EXPO. - ENTRE PLANOS

Boiler Galeria - Individual

Curitiba - PR - mai.jun

‘16

 

EXPO. - ACERVO QUADRA

Galeria Quadra  - Coletiva

Rio de Janeiro - RJ - nov.dez

 

EXPO. - ARTE NA FABRIKA

Goethe Institut - Coletiva

Curitiba - PR - out.nov

 

EXPO. - PAR.TI.CU.LAR

Galeria Lime - Individual

São Paulo - SP - ago.out

 

CURADORIA - KOLLEKTIVET I

Boiler Galeria - Mostra Sonora

Curitiba - PR - jul

 

EXPO. - CCC #1

SESC Centro - Coleitva

Curitiba - PR - jul.ago

 

EXPO. - SINAPSES

Boiler Galeria - Individual

Curitiba - PR - jun.jul

 

EXPO. - VENTOS DO SUL

Casa Diária - Coletiva

São Paulo - SP - mai.jun

 

LEILÃO - NAMELESS

Curitiba - PR - mar

 

EXPO. - INTERIORA

Galeria Mucha Tinta - Individual

Curitiba - PR - fev.abr

‘15

 

FEIRA - BERLINER LISTE

Berlin Kraftwerk - Coletiva

Berlin - GER - set

 

EXPO. - ACERVO SOMA

Soma Galeria - Coletiva

Curitiba - PR - dez.jan

 

INSTALAÇÃO - TRIADE

Festival Fora da Forma

Curitiba - PR - 9-12.out

 

EXPO. - ORIGENS

Boiler Galeria - Individual

Curitiba - PR - jun.jul

‘14

 

EXPO. - APOC

Wake up Colab - Individual

Curitiba - PR - ago.set

EXPO : Ensaio Circular

2019

individual

Apoc Galeria

 

Curitiba - PR

pic : Flávia Wolf 

Mateus Trevisan

EXPO : Na Beirada da Superfície

2018

coletiva

Adriana Tabalipa / Adriele Tornesi

Felipe Scandelari / Gustavo Francesconi

Janete Anderman / Lívia Fontana

Maya Weishof / Taigo Meireles

Boiler Galeria

 

Curitiba - PR

pic : Fabiana Caldart

Texto : Lilian Gassen 

 

Olhar o mundo a partir de sua superfície é entender-se como um corpo que percebe seu entorno como ‘seu lugar’ e não como uma exterioridade. O sentido de superfície mistura, por movimento contínuo de intercâmbio, ideias distantes, práticas históricas, geografias, sensações. Isso porque, paradoxalmente, a superfície das coisas pode ser uma película de separação entre aquilo que a coisa é daquilo que ela não é, como nossa pele, parte externa e visível de nossos corpos, que nos separa daquilo que não somos. A superfície pode ser algo sem profundidade, algo rasteiro, do qual pouco ou quase nada entendemos, ou percebemos. Também pode ser um lugar determinado no mundo, como a superfície dos Andes ou a superfície de um lago. Ela ainda pode ser pura ideação, uma fantasia ou projeção do espaço bidimensional. E todos esses “podem ser” da superfície perpetuam sua condição de comutação. ** A superfície destrói a linha de contorno, a divisa, e no lugar propõe a mutação do sfumato.

 

Em um passado de nosso tempo se dizia que “as primeiras partes da pintura são as superfícies”. *** Naquele momento, a superfície tinha um duplo sentido intercambiável; aquele relativo à aparência da exterioridade das coisas, e aquele que se refere ao plano de projeção [a janela]. Esses dois sentidos estão, portanto, submetidos à noção de representação/ficção. A imagem reconhecível dita as características das superfícies do objeto pintura como equivalente de ‘imagemcoisa’; neste caso, palavras inseparáveis por sentido e ordenamento constituído, pois aqui a imagem está antes da coisa, repousada, encobrindo-a. O reflexo na superfície do espelho é tão vívido que impede de ver o espelho. Esta é a superfície que se camufla na sedução do mundo que se replica.

Mas, se a superfície é a primeira parte da pintura, como não vê-la? Como não permitir-se levar por sua topografia? Agora, em outro passado de nosso tempo, quando a noção de fronteira era indispensável à compreensão das coisas e do mundo, a superfície ganhou espessura e se separou. Então, seu novo sentido passa a ser de “uma superfície que expressa igualmente os resultados das forças internas e externas” **** a si mesma. Perceber a imagem do mundo significa interferir nesse mundo, deixar a marca de sua mão nele. Este outro sentido de superfície contém a representação/ficção pela materialidade do fato. A imagem reconhecível está separada perceptivelmente de sua forma de fixação como itens distintos: a ‘imagem e a coisa’ ou a ‘coisa e a imagem’. O reflexo e o espelho se tornam presenças pela percepção/ação. Esta é a superfície que evidencia a rugosidade do mundo.

 

“O fenômeno da demolição do quadro, ou da simples negação do quadro de cavalete, e o consequente processo (...) da criação sucessiva de relevos, antiquadros, até as estruturas espaciais ou ambientais, e a formulação de objetos, (...) numa linha contínua, até a eclosão atual” ***** nos fizeram perceber o mundo como superfície. Achatadas pela literalidade dos fatos e enredadas por nossa própria ficção, construímos a ‘coisaimagem’. Nestes tempos de instantaneidade, o mundo, sua projeção no espelho, o próprio espelho e o ato de observar são e estão na superfície, coabitando. Se, por um lado, esse entendimento deixa tudo rasteiro e ordinário, por outro, “deshierarquiza”, horizontaliza as relações, nos deixa mais próximas e parecidas. Esta é a superfície que nos une. Perceber a superfície, portanto, é sentir essa pele macia e sedutora, ao mesmo tempo em que nos confrontamos com o ritmo das cicatrizes incongruentes de nossas histórias nela gravada. Esta exposição propõe essa percepção a partir da beirada e sem parapeito para nos proteger. Daqui, podemos ver alguns tipos de superfície, presentes conosco.

 

 

* SARAMAGO, José. A história como ficção, a ficção como história. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis : EDUFSC, n.27, p. 09-17, abr. de 2000.

** VIRILIO, Paul. Espaço crítico. Tradução Paulo Roberto Pires. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993. pg. 13.

*** ALBERTI, Leon Battista. Da pintura. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989. pg. 107.

**** KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998. pg. 36.

***** OITICICA, Hélio. Esquema geral da Nova Objetividade. In: FERREIRA e COTRIM (org). Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, 2006. pg. 156.

EXPO : Entre Planos

2017

Individual

Boiler Galeria

 

Curitiba - PR

pic : Fabiana Caldart

Texto : Eduardo Amato

 

Qual foi a reação dos nossos ancestrais diante da primeira faísca ao lascar as pedras? Ou quando Einstein chegou a fórmula da teoria da relatividade? É nesse milésimo de segundo diante de um grande feito que a obra de Gustavo parece se encontrar. O trabalho não se relaciona apenas com o campo da arte. Vai muito além. Pensa teorias e experimentos científicos via estruturas sensoriais. Não há, por um lado, uma preocupação em esclarecer conceitos já estabelecidos; há entretanto uma provocação, uma insinuação do que tenderia um experimento científico no campo da arte, enquanto resultado visual. Por suposto que existe uma pesquisa de fundo, pela qual é esclarecida através da escolha de cada forma, volume e composição das obras, como se tinta fluísse nos nervos do artista.

É um trabalho preciso, como um cálculo matemático ou uma fórmula química, isento de falhas. Mas não é um trabalho automático, com regras de continuidade; em cada obra Gustavo nos oferece uma fórmula para uma nova descoberta. Os trabalhos se relacionam como estações de pesquisa em um laboratório expositivo. Se existe uma teoria de organização no caos, é dessa paleta que o artista se alimenta, pulsante e nunca inerte.

Ainda como nos grandes feitos, os acasos na obra de Gustavo dividem lugar face a metodologia, sejam como descobertas técnicas ou como respostas a questionamentos do artista. A impermanência dos materiais nos suportes utilizados respiram e se configuram como próprios sujeitos nessa rede de tantos elementos que formam a obra de arte. O lugar de suas obras não se resume ao espaço expositivo, mas reverbera e permeia por nosso subconsciente ativando campos sensoriais de até, eu diria, autoconhecimento.


Qual o papel do espectador e qual seu lugar dentro da obra?


A pintura como registro de um tempo, e do próprio tempo, torna-se um portal que vai diante ao "momento final" do artista, reflete o presente como um espelho e nos faz viajar de volta para o momento que vivemos, tornando a obra sempre contemporânea através desses infinitos fluxos de compreensão. Arrisco em dizer que quando cria, o artista prevê possíveis caminhos interpretativos por saber exatamente como e do que esta falando. Tais chaves de interpretação que nos são dadas, cedem lugar a um arquétipo crítico onde a obra é clara e sem falsas teorias subjetivas e superficiais. 

Nesse sentido Gustavo produz situações pictóricas que devem ser compostas pelo espectador, interlocutor ou viajante, produzida como um negativo a ser revelado no momento de contemplação. A complexidade da obra não se desfaz com o alto grau de autonomia proposto à contemplação, ele não trabalha com "gosto pessoal, mas com todos os gostos pessoais”*. E se o conteúdo da pintura - por vezes - é invisível e seu caráter e dimensão devem ser mantidos secretos sabidos somente pelo artista**, a presente exposição é um convite à humanidade pensar em arte e sobre arte.

 


* Apropriação de trecho do texto do artista principense Almada Negreiros (1893 – 1970).

** A frase foi retirada da obra Secret Painting do coletivo Art & Language (1968).

CURA : Kollektivet - Mosta Sonora

 

2016

coletiva

Galena / R.C.C.B / kambô  Music Nerds

Boiler Galeria

 

Curitiba - PR

pic : Gosmma

EXPO : Particular

2016

Individual

Galeria Lime

 

São Paulo - SP

pic : Raphael Dias

Texto : Eduardo Amato

A escolha da gravura como alicerce principal é aqui um dos pontos de partida de análise. Historicamente a gravura ocupa lugar importante como suporte para confecção de partituras musicais. Elas voltam como uma paisagem humana e particular; como uma delimitação de tempo e espaço. Não me abstenho em dizer que essas partículas pulsantes e dinâmicas ecoam através das telas e o tempo todo estamos aprendendo com a generosidade das obras.

Vou mais além e comparo a descontinuidade sonora com a unicidade de um resultado gravado no tempo, quando aparecem os materiais reflexivos proponho uma investigação íntima sobre o espelho como duplo, como superfície para a matriz - espectador. Articulo o intervalo visual desse reflexo como desdobramento de tempo. Não a visão cartesiana nem pragmática, mas uma versão fluida, diretamente e/ou involuntariamente conectada as serigrafias sem uma matriz fechada. Parecem elas frequências pulsantes, as mesmas depois ilustradas em formas circulares, em constante expansão; e isso é alguma coisa de maravilhoso e nos faz crescer dentro das suas possibilidades.

Nos materiais pendentes reconheço a especificidade da gravura e nesse deslocamento infinitas possibilidades gravadas no espaço. Ali a matriz é o próprio tempo ultrapassando uma visão que já existe nos trabalhos anteriores e questões técnicas, usando-as como instrumento para as formas de expressão. Mudam os conteúdos mas essa capacidade e receptividade de criar e continuar a surpreender fazem dessa fase vital - não existem segredos, a arte é feita aqui de experiências e constatações.

VIDEO : Teaser Expo Apoc

direção : Mateus Trevisan

2014

bottom of page